Meu Melhor Lugar…

Quero propôr um experimento.

  • Fechem os olhos.
  • Pensem no lugar onde vocês se sentem mais confortáveis, seguros, a salvo de tudo e de todos. Imaginem o lugar que é só de vocês. Imaginem a sua zona de conforto.
  • Tentem visualizá-lo o melhor possível. Cores, quadros, móveis, se é um lugar aberto ou fechado, lembranças e pessoas relacionadas a este lugar.
  • Agora, me digam, que lugar é este?

Quando eu imaginava esse lugar, pensava no meu quarto. É incrível como o meu corpo, minha mente, meu inconsciente, reconhecia, respondia e se comportava quando se encontrava nesse lugar.

Meu corpo sabia que naquele lugar, ele podia ser “fraco” e ninguém iria saber. Lágrimas, medos, gritos sufocados, pulos de alegria. Era sempre lá que tudo acontecia. Eu sabia que podia contar tudo pras quatro paredes e elas ficariam caladas para sempre, não importa sob qual tortura fossem submetidas.

Agora, esse lugar é o teu abraço, o teu sorriso, tu. Pode ser na fila do mercado, no parque, no carro, na casa dos meus pais, na casa dos teus pais, com os nossos amigos, num passeio de tarde pela colônia, num mergulho gelado em Torres. Qualquer lugar é meu melhor lugar desde que tu estejas lá.

Sobre A Vez Que Morri Por 3 Segundos

Há muito tempo, eu não escrevo. Nada. Nenhuma linha. Nem nas notas do celular. A não ser que receitas contem. Não, acho que não conta. Então, é… faz muito tempo que não escrevo.

Uma amiga me perguntou se eu tinha escrito algo ultimamente. Envergonhada (ou triste), respondi que não. Não entendi muito bem o porquê daquele sentimento. Até que eu fui fazer o login no blog. Não lembrava a senha. Não lembrava o nome de usuário. Não lembrava o e-mail (era um antigo). Nem a senha daquele e-mail. Depois de redefinir a senha do e-mail antigo e do blog, consegui acessar meus posts passados. O blog tinha sido atualizado. Não conseguia mais navegar pela página. Finalmente, encontrei os rascunhos. “Esta pasta esta vazia”. E foi ali que eu eu morri por três segundos.

Nos rascunhos, eu guardava mais ou menos 40 arquivos de sentimentos inacabados, de memórias esquecidas, de coisas que poderiam se tornar lindos textos um dia. Meu coração doeu. Era uma partezinha de mim, guardada pra ser continuada ou deletada quando eu sentisse vontade. E senti aquela parte sendo arrancada de mim. E de repente, encontrei uma barra lateral que continha todos os rascunhos. Respirei aliviada, e então entendi o porquê daquele sentimento. Escrever me faz bem, me relaxa, me tranquiliza, me ajuda a espairecer. Sinceramente, me faz um pouco mais sã, e eu tinha deixado isso de lado.

Se algo te faz bem, não pare. E se parou, retome! Simples assim ❤

Meio

Admito que eu não tenho sido fácil nos últimos dias. Ando meio sem vontade, meio pra baixo, meio cansada, meio um monte de coisa. E eu percebi hoje que pros outros, eu coloco um sorriso no rosto, aceno a cabeça e concordo com qualquer declaração de melhora ou esperança (mesmo que eu não concorde ou esteja sem qualquer esperança). Mas contigo, eu não preciso fingir qualquer força que não está lá. Pra ti, eu choro de dor. Me exponho. Sou frágil. E fico assim, meio cabisbaixa, meio impaciente, meio completamente chata. E que chato isso! 

Porque dói em ti também. Ver eu me contorcer de dor e não poder fazer nada. Secar as minhas lágrimas. Me dar esperança. Me animar. Principalmente quando eu estou meio mais pra lá do que pra cá há dias. E tu tens os teus dias ruins também, e é teu direito ser mimado!

Então, hoje, estou declarando que vou parar de ser meio essas coisas ruins. E se tiver que ser meio, vou ser meio louca pra animar teus dias, e meio metida a cantora pra gravar os vídeos que tu tanto gosta, e meio cozinheira pra fazer aquele miojo com hambúrguer grelhado (e um pãozinho de acompanhamento). Porque tu merece mais meu sorriso e esforço pra ser feliz (mesmo quando to meio ruim) do que qualquer pessoa!

Mudar É Uma Droga… Ou será?

Mudar é uma droga. É difícil. A maioria dos seres humanos é relutante à mudança. “Por que eu deveria mudar algo que está funcionando? E se não der certo? E se eu perder meu emprego, meus amigos, o apoio da minha família?”. Essas são algumas das perguntas que essas pessoas se fazem perante uma oportunidade de mudar. Eu era uma delas, mas algo me fez olhar a mudança por uma perspectiva completamente diferente: novas amizades!

Mudei-me recentemente de Montenegro pra Caxias do Sul. Tem sido difícil me ajustar e adaptar a uma nova cidade, novo emprego, nova cultura, e até um novo idioma. Palavras como “pochar” (que significa molhar alguma coisa em molho) e “guisado” (carne moída) aumentaram meu vocabulário. Eu chorava pro meu marido todas as noites depois do trabalho achando que eu não me encaixava nesse novo lugar. Sim, eu sei, eu estava exagerando. Vamos simplesmente dizer que foi um momento difícil.

Tudo mudou quando eu fiz novos amigos. Ou melhor, quando eu me permiti fazer novos amigos, quando eu deixei as pessoas se aproximarem de mim. Novos amigos me fizeram ficar ansiosa para ir para o trabalho para estar com eles e rir. Ou só jogar Heads Up durante nosso intervalo. Novos amigos me fizeram ficar ansiosa para o fim de semana pra que nós pudéssemos sair, comer algo ou só passar um tempo juntos. Novos amigos me deram dicas de restaurantes e me disseram em quais bairros eu não deveria ir. Novos amigos assistiram meus videos no facebook e me incentivaram. Novos amigos me permitiram ajudá-los quando eles precisaram. Novos amigos confiaram em mim e me fizeram sentir importante. Os amigos que eu fiz mudaram a minha vida pra sempre.

Muhhamed Ali disse: “A amizade é a coisa mais difícil do mundo de se explicar. Não é algo que se aprende na escola. Mas se você não aprendeu o significado da amizade, você não aprendeu absolutamente nada”.

Sem esses amigos, eu não teria aprendido que, embora mudar seja uma droga, há um lindo brilhante e lindo que são as pessoas que entram na sua vida. Uma coisa é certa: “Não há nada melhor que um amigo, a não ser um amigo com chocolate”.

Gota de Amor

Tu estavas dirigindo do meu lado e o sol estava praticamente posto. O céu era de um azul celeste. Nem escuro. Nem claro. A noite estava fresquinha e Ben Howard tovaca no teu telefone. Minha mão acariciava a tua perna lentamente e por um segundo aquele momento pareceu durar uma eternidade. E como eu queria que aquele momento nunca tivesse tido um fim.

Sabe quando uma gota de chuva cai na tua testa e tu percebes que vai chover? Pra mim foi assim que eu percebi o quanto eu te amava. Naquele momento que durou uma eternidade dentro de um segundo.

Not This Week

We are supposed to be always there
We are supposed to at least care
We are supposed to wipe each other’s eyes
We aren’t supposed to make each other cry

We are supposed to be each other’s friend
And during hard times, we are to comprehend
We are supposed to be each other’s relief
And not be the reason for such grief

We are supposed to put each other first
And tolerance’s supposed to be a must
When one is down, the other should remain near
And not say “We won’t talk, my friends will be here”

We are supposed to be many things
At times successful or holding by a string
We are those things of a willing heart
But forget this week cause this week we’re not

Completa

Ah, não sei o que me dá quando tu estás longe. Não sou eu mesma. As pessoas dizem que eu fico diferente. Dizem que eu mudo, fico muda. Mas é que eu não tenho vontade de nada se tu não estiver aqui me ajudando a fazer tudo. Parece que falta algo.

Que graça tem a vida, se eu não posso ouvir aquela tua risada engraçada quando eu te faço cócegas? Ou de que vale os momentos sem tuas sacadas rápidas e as vezes sem graça? Porque investir tempo em coisas que não envolvem uma aula de violão no parque, uma tarde de sol, uma volta de bicicleta na chuva ou uma busca pelo spot perfeito no Gasômetro?

Quando eu tô no meio de um monte gente bacana, eu sinto sono e vou pra casa descansar, mas quando entro no meu quarto e deito na cama olhando pras paredes verdes, eu lembro do que tu disse na noite passada: que minha cama era muito desarrumada. Mas era só a coberta que tava meio embolada. E eu rio dessa lembrança. Perco o sono e fico até umas 2 da manhã repassando momentos ou imaginando novos, e aproveitando todo esse sentimento pra escrever um ou dois posts no blógue.

E aí entendo que eu mudo (ou fico muda), porque falta algo mesmo. Falta tu! E eu não me sinto completa sem ti. Então deixa de ser idiota e vem ficar comigo!